UTILIZAÇÃO DO CLEARANCE DA CREATININA ENDÓGENA PARA AVALIAÇÃO DA FUNÇÃO RENAL EM CÃO COM REAGUDIZAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL NA INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA

10/08/2011 17:21

UTILIZAÇÃO DO CLEARANCE DA CREATININA ENDÓGENA PARA AVALIAÇÃO DA FUNÇÃO RENAL EM CÃO COM REAGUDIZAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL NA INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA

Lia Dantas Barbosa; Daiane Neves; Rodolpho Marco Cecara de Azevedo; Antônio Fernando Alves Silva; Paulo César de Carvalho F. de Freitas

A utilização do clearance da creatinina endógena (CRE) para avaliação da função renal em cães ainda muito restrita à pesquisa. Alguns estudos sinalizaram para o seu emprego em algumas doenças, como a piometra, para avaliação da função renal e até mesmo para adequar ao tratamento conservador e prescrição da hemodiálise. A sua aplicação na insuficiência renal crônica (IRC), mencionando valores de clearance em cães estabilizados e com IRC, não estão disponíveis na literatura. Sendo assim o objetivo deste estudo foi relatar a aplicabilidade do CRE em cães com reagudização da insuficiência renal na IRC e auxiliar o tratamento e prognóstico. O método utilizado um relato de caso, monitorando um cão, sem raça definida, macho, 14 anos de idade, 14kg, admitido no Hovet-UniABC, com reagudização da insuficiência renal e IRC, anemia e hiperplasia prostática. A avaliação do clearance da creatinina endógena, realizada mediante a cateterização vesical transuretral, drenagem do conteúdo urinário, seguido de irrigação vesical com solução de cloreto de sódio a 0,9% e drenagem do volume infundido. A sonda uretral foi instalada enquanto o animal recebia fluidoterapia e mensurava-se o débito urinário. Decorridos 3 horas, drenou-se a bexiga, homogeneizado o conteúdo drenado (Vu) e retirada uma alíquota para mensuração da creatinina urinária (Cru); coletou-se também uma amostra sanguínea para a dosagem da creatinina sérica (Cs). O cão permaneceu com insuficiência renal após nove dias de tratamento e clearance da creatinina endógena de 0,27 ml/kg/min. Os principais resultados, que após 25 dias da admissão clínica e tratamento, apresentou CRE de 0,2 ml/kg/min. O animal morreu 49 dias após a admissão. A gravidade da insuficiência renal após a instituição do tratamento com clearance da creatinina endógena de 10% ( 0,2 ml/kg/min) da normalidade (2,0 ml/kg/min), foi compatível com o prognóstico desfavorável quanto a vida. Pode se concluir que o CRE foi capaz de prever a gravidade da afecção no momento da sua admissão clínica.


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!